CrossFit Games: nova dinastia, vitória milimétrica e Brasil no pódio

Maior evento de CrossFit do mundo terminou no último final de semana com várias histórias incríveis e brasileiro fazendo bonito! Veja destaques!

Terminou no último domingo o maior evento de CrossFit do mundo, o CrossFit Games. O evento teve o bicampeonato de Mathew Frasier no masculina, o triunfo apertado de Tia-Clair Toomey, vice-campeã em 2015 e 2016, no feminino, e show do brasileiro Guilherme Malheiros.

O CrossFit Games é uma competição realizada nos EUA num formato que lembra uma Copa do Mundo: para ter a chance de disputar o título, é preciso passar pela fase classificatória.

Para se ter uma ideia da dimensão do evento, as classificatórias, que acontecem no mundo todo, tiveram nada menos do que 380.000 atletas inscritos. E apenas 40 vão às finais.

Foram as finais, aliás, que aconteceram no último final de semana, em Madison, no Wisconsin (EUA). E você pode ver alguns dos destaques dos 4 dias de evento nas fotos e vídeos abaixo:

CrossFit Games: nova dinastia, vitória milimétrica e Brasil no pódio

– Começo de uma nova dinastia?

mat fraser

Depois da dominância de Rich Froning, que venceu o CrossFit Games 4 vezes – de 2011 a 2014 -, Mat Frasier pode dar início a uma nova dinastia na principal competição de CrossFit do planeta.

Porque além de ter vencido a disputa pela segunda vez consecutiva, mostrou uma superioridade inquestionável, vencendo nada menos que 7 das 18 provas (ele foi segundo ou terceiro em outras 7).

 

– Toomey, por pouco

crossfit games - toomey

No feminino, definitivamente não dá para falar de atletas “sobrando”.

A australiana Tia-Clair Toomey venceu por apenas 2 pontos a compatriota Kara Webb – para se ter uma ideia, Mat Fraser terminou com 216 pontos a mais que o vice-campeão Brent Fikowski.

Isso, claro, não diminui a vitória de Toomey – pelo contrário: a categoria das mulheres foi muito mais disputada!

– Novidade nas equipes

Na disputa por equipes, o time CrossFit Mayhem buscava o tricampeonato consecutivo, mas acabou com a segunda colocação. A vitória foi do Wasatch Brutes, que venceu a competição pela primeira vez.

– Brasil neles!

guilherme malheiros - crossfit games

Apesar de não ter atletas nas duas principais categorias – individual masculino e individual feminino – alguns atletas brasileiros conseguiram vaga nas finais do CrossFit Games. E teve gente fazendo bonito!

Guilherme Malheiros foi vice-campeão na categoria “Adolescentes 16-17 anos” e colocou o Brasil no pódio (na foto, à esquerda)!

Luiza Marques (12ª colocada, Adolescentes 14-15), Tiago Lopes (17º, Masters 40-44) e Cris Tourinho (10ª, Masters 45-49).

– Multidão

CrossFit Games

O CrossFit Games não reúne apenas uma multidão de atletas. Reúne também um público monstruoso. A cada ano, milhares de pessoas vão até o evento apenas para assistir.

Somando as fases classificatórias e seus 380.000 atletas, com o público e os atletas presentes nas finais, não seria exagero dizer que o evento atinge 500.000 pessoas.

E isso sem falar nas que acompanham pela internet – o que elevaria esse número para alguns milhões.

– Força, resistência, potência

As provas do CrossFit Games são muito variadas. Acima você pode ver algumas delas, que exploram várias características físicas e mentais dos competidores.

O evento 9 dos homens mostra que as finais do CrossFit Games realmente não são para qualquer um, com um circuita de muscle-ups e cleans da pesada.

Cada “volta” no circuito contava com 4 muscle-ups e 2 cleans, mas a carga neste último era progressiva – começa com 100kg, depois subia para 110kg, depois 120kg, 130kg, 140kg, 145kg, 150kg e terminava com 160kg.

Esta prova terminou com a vitória de Mat Fraser, claro, e você pode assistir na íntegra no vídeo acima.

Definitivamente, não é um evento para qualquer um!

Agora que o CrossFit Games 2017 acabou, os atletas já começam a se preparar para a edição do ano que vem. A primeira rodada de eliminatórias começa em fevereiro de 2018 e a segunda, em maio.

LEIA MAIS: ‘Vovô do CrossFit’ faz treino insano para comemorar 78 anos 
LEIA MAIS: [VÍDEO] ‘Crossfitter’ vs. bodybuilder: quem leva melhor na modalidade ‘rival’?

Comentários